Bom dia, hoje é Terça, 13 de Abril de 2021. Clique Aqui para login.
Indicator_red
Nota de Pesar - Professor Miguel Ramalho.

Faleceu hoje, 08 de Março de 2021, o Professor Miguel Ramalho, um dos sócios mais antigos da Sociedade Geológica de Portugal e figura maior da Geologia Nacional. A Geologia Portuguesa está de luto!

O Professor Miguel Ramalho prestou serviços inestimáveis ao país e à Geologia, ao longo de toda uma vida de trabalho dedicada à Ciência, como prestigiado investigador de Micropaleontologia, principalmente do Jurássico Superior português, como professor de Geologia na Universidade de Lisboa - todos os signatários desta singela nota tiveram o privilégio de terem sido seus alunos - mas, naturalmente, como devotado e fidelíssimo servidor dos Serviços Geológicos de Portugal (SGP/IGM/LNEG), incansável defensor e lutador pela cartografia geológica de Portugal em escala de pormenor.

Miguel Ramalho foi um Homem de convicções e, como tal, lutador por causas, principalmente pela defesa do património geológico e, de forma mais holística, do património natural, materializado pela sua enorme devoção e ações concretas na Liga de Proteção da Natureza. O expoente máximo fica, antes ainda na vigência do anterior regime, as denúncias feitas à destruição da floresta na Arrábida, devido à atividade extrativa de Brecha da Arrábida, que culminaram com a criação do Parque Natural da Arrábida.

A sua perseverança e amor a causas fizeram que, até perto deste dia fatídico, com regularidade pendular e entusiasmo contagiante, quase diariamente estivesse no "seu" Museu de Geologia na Rua da Academia das Ciências, para que o mesmo seja - continuará a ser, temos a certeza disso - um local onde se continua a fazer Ciência.

Um local privilegiado onde se comunica Ciência para o público em geral, onde se preserva o legado de mais de século e meio de arquivo sistemático e sistematizado de reconhecimento geológico do território nacional - e não só - levado a cabo por gerações de geólogos, desde Carlos Ribeiro, até Nery Delgado, Paul Choffat, George Zbyszewsky, Octávio da Veiga Ferreira e tantos outros, para além de dezenas e dezenas de geólogos ligados às universidades portuguesas que sempre colaboraram com os SGP/IGM/LNEG, pela Ciência e pelo seu País.

O Professor Miguel Ramalho estará já junto com eles, num areópago destinado apenas a alguns. Bem-haja Professor, Miguel Ramalho!

Nesta hora de dor e luto, a SGP apresenta as mais sinceras e sentidas condolências à família enlutada.

Pela Sociedade Geológica de Portugal:
A Direcção em funções:
José Carlos Kullberg
António Alexandre Araújo
Rita Solá
Carlos Marques da Silva
Telmo Bento dos Santos
Miguel Maia (colaborador)

Introduzido por: WebMaster em 2021-03-09 00:03:12

"A Mina em que Vivemos" - Livro editado pela Sociedade Geológica de Portugal.

O livro "A Mina em que Vivemos", da autoria de Sofia Pereira (texto) e Alexandra Couto (ilustrações), foi lançado no passado mês de Novembro, no âmbito do evento "A (in)sustentabilidade dos Recursos Minerais", dinamizado pela SGP e realizada no, e com o Centro Ciência Viva do Lousal.

Numa altura em que a Geologia sofre o ónus de se ver associada sobretudo aos aspectos negativos da exploração mineira e dos hidrocarbonetos, este livro ? escrito e revisto cientificamente por especialistas, por geólogos ? constitui fonte de informação e de formação para estudantes do ensino pré-universitário, bem como precioso auxiliar pedagógico para professores. É ainda um excelente texto de divulgação científica para o público em geral, facilmente "capturado" pela maciça desinformação que grassa em toda a Sociedade sobre a (necessidade de) exploração sustentada de recursos minerais essenciais para se garantir uma digna qualidade de vida.  Há pouco interesse em saber de onde vêm os materiais que a possibilitam... e se eles vierem de longe, onde nenhuma garantia existe da exploração estar a ser feita da melhor forma, "tanto melhor".

Se é certo que nas sociedades desenvolvidas atingimos um pico de consumo, havendo a necessidade de informar a população para a necessidade de se consumir menos e de forma mais sustentável, é igualmente verdade que existe uma outra face do mundo necessitada de acesso a um sem número de tecnologias que garantam uma qualidade de vida igualitária. Posto isto, a necessidade de explorar recursos minerais continuará a existir, pois, por cada cidadão que freie o seu consumo, haverá vários para quem é urgente o acesso à saúde, à educação, à segurança e à dignidade e todos estes direitos assentam em bens e tecnologias que nascem da exploração mineira e dela dependem. 

Estas palavras cruas, que assumo enquanto Presidente da Direcção da SGP, normalmente incomodam quem pretende embarcar em populismos, quem depende de clientes desinformados, mas aguerridos e barulhentos, prosperando com a polémica não sustentada cientificamente que, todavia, atrai audiências. 

O livro "A Mina em que Vivemos" é informativo e formativo, com uma escrita clara, acessível a todos, fundamentada cientificamente por quem é competente para o fazer. E está magnificamente ilustrado, o que permitirá que os seus conteúdos sejam facilmente compreendidos e transmitidos, por exemplo, em contexto pedagógico. 

A Sociedade Geológica de Portugal está, pois, orgulhosa desta sua edição e agradece e felicita todos os intervenientes, particularmente a Sofia Pereira e a Alexandra Couto. Paralelamente, porque nunca é tarde para o fazer, aproveita para expressar o seu reconhecimento a todos os colegas que, de forma mais visível ou com um trabalho mais "resguardado", contribuíram para o enorme sucesso do lançamento desta obra, assim como do evento acima mencionado, de uma forma mais abrangente.

Pela Direcção da SGP, o Presidente

José Carlos Kullberg

Mais informações e possibilidade de descarregar conteúdos se carregar em baixo em "Ver Detalhe" ... e uma surpresa!

Introduzido por: WebMaster em 2020-02-18 23:02:07

Apoios e Parcerias
Logo_fct_mctes_vertical     Logo_aegs
Iageth_logo Inqua-logo2
Logo